Alquimista do Saber

“Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir.” Fernando Pessoa

Dedução

Não acabarão nunca com o amor,
nem as rusgas,
nem a distância.
Está provado,
pensado,
verificado.
Aqui levanto solene
minha estrofe de mil dedos
e faço o juramento:
Amo
firme,
fiel
e verdadeiramente.
Vladimir Maiakóvski

643 dias é tempo necessário para você conhecer belezas naturais inefáveis, viajar o mundo todo, apreciar um pouco da cultura chinesa, da espiritualidade indiana, é tempo necessário para você aprender uma nova língua, de você aprender a soltar de paraquedas, de conseguir vencer uma revolução e diria até que é tempo suficiente para você se curar de uma doença grave ou um estágio terminal seja ele de origem física ou psíquica. Mas que tal falarmos do que poderia vivermos em um tempo maior que 600 dias com o amor , companheirismo e persevarança.


Em 30 dias vc e a outra pessoa podem provar que existem causalidades que são maiores que a própria imaginação e construções pragmáticas de um caminho fácil, é possível vivenciar nesse interstício coisas tão novas pela nossa razão e sentimento que de vez é possível visualizar coisas extraordinárias que nem nos perguntamos se são verdadeiras ou reais apenas olhamos e sorrimos com aquela sensação de que apreciamos, nos encantamos e nos alucinamos com a mesma intensidade, em um mês nos descobrimos aos poucos e abrimos várias portas de acesso exclusivo que dentro delas somos apenas duas crianças felizes e livres enlouquencendo sobre a alegria imensurável de podermos ser nós mesmos um com outro.


Em 150 dias resolvemos navegar com o nosso barco já construído pelo o tempo e preparado para suportar e vencer o mar. Nos aventuramos nessa caminho por acreditarmos que poderíamos ir além do que os nossos olhos podiam alcançar, queríamos novos mundos e sonhos e empenhados nisso navegamos de forma despreocupada pelo o mar que com sua imensidão e força e se aproveitando das fraquezas geradas pelas as tempestades que já havíamos vencido insiste ferozmente até destroçar nosso barco e com sua voracidade invejosa nos separam em duas ilhas diferentes do caminho da nossa navegação conjunta. 


358 dias esse é o tempo que nos alimentamos das nostalgias dolorosas e sobrevivemos de coisas superficiais, simplórias e paliativas para remontar algo que sabemos que só quem conhece a bussóla para nos colocar nos direcionamento correto de uma navegação sincera de amor é capaz. É preciso novamente reecontrar quem possui o mapa do seu bem estar amoroso, é preciso enfrentar os mares até a outra ilha e ter a intrepidez suficiente de vencer as barreiras do orgulho para conquistá-la e convencê-la de que é possível novamente navegar e que dessa vez nossa embarcação não só possui mais beleza como é mais experiente e forte para vencer os leviatãs fantasmagóricos de desentendimentos e brigas, e que o único vento das nossa velas a partir de agora é a nossa peregrinação sentimental para o bem-estar interpessoal.


643 dias vivendo tudo isso e ainda assim seguimos apenas sonhando e deduzindo o que é o amor e de uma forma singela seguimos nos completando no corpo que entende com maestria os sinais dos nossos desejos e aspirações, prosseguimos juntos tentando compreender e respeitar os códigos da convivência. Vivemos sobre o combustível e a esperança dos sonhos que ainda podem ser realizados e o que ainda não fez pularmos ou desistir do barco nas tempestades de rancor e das mazelas que surgem no caminho é a certeza de que possuímos um amor puro e intenso que acreditamos ser o sentimento verdadeiro dos felizes, nisso vamos navegando e multiplicando os dias, com brigas, beijos, carinho, respeito, raivas, angústias, sorrisos, choros, remorços, arrependimentos, sonhos, desejos, dependência, companheirismo, intimidade e principalmente uma efervescente e incontrolável vontade de sempre estar um do lado do outro.

Saudações aos Navegantes do Amor!

2 Comentários:

"Amo
firme,
fiel
e verdadeiramente."

Intenso, interessante e belo!!!
^^

janai ariella disse... 9 de julho de 2011 20:42  

me identifico muito com o que vc escreve!
Acho que tenho bastante sorte de te-lo como amigo! parabéns!

Postar um comentário

Facebook

Pesquisar este blog

=D

Minha foto
Rio Branco, Acre, Brazil
Wesley Diógenes

Criar seu atalho
Contato: wesley_diogenes@hotmail.com Quero explicar que o nome alquimista do saber vem da ideia de uma busca constante do conhecimento e do aprendizado, é como se fosse um aventureiro em busca de uma dialogia de filosofias para chegar a um determinado conhecimento, o nome do blog não passa de uma analogia e não se configura como uma prepotência da minha parte.

Chat de Impressões sobre o Blog e Discussão

Citações

Brilhar para sempre,

brilhar como um farol,

brilhar com brilho eterno,

gente é para brilhar,

que tudo mais vá para o inferno,

este é o meu slogan

e o do sol.

Vladimir Maiakóvski


Os que mais amam são os mais egoístas - Dostoiévski


Já dizia Dostoiévski em os Irmãos Karamazov: "SE DEUS não existe e a alma é mortal, tudo é permitido"


"A memória do coração elimina as más recordações e magnifica as boas, e graças a esse artifício, conseguimos superar o passado." Gabriel García Márquez


"Um alquimista é aquele que vive sua lenda, Desbrava o desconhecido, que sabe que para chegar ao impossivel tem que caminhar por caminhos impossiveis. Brilha sua luz!Sua individualidade coletiva questionadora. Vamos nessa! Navegar é preciso." Clenilson Batista

Viagem Sensorial

Viagem Sensorial
Nas busca irreal do real, vivemos a loucura como o refúgio de não conseguirmos jamais nos adaptarmos à normalidade.

Livros Favoritos

  • Almas Mortas
  • Amor nos Tempos de Cólera
  • Cem Anos de Solidão
  • Crime e Castigo
  • Do Amor e Outros Demônios
  • Dom Quixote
  • Elogia da Loucura
  • Lolita
  • Mais livros no site http://www.skoob.com.br/usuario/mostrar/144017
  • Metamorfose
  • O Anticristo
  • O Cortiço
  • O Morro dos Ventos Uivantes
  • O Pequeno Príncipe
  • Os Irmãos Karamazov
  • Águas para Elefantes
Ocorreu um erro neste gadget

Ah chinnnn, ops Che!

Ah chinnnn, ops Che!

Adooroo

Adooroo

Surrealismo

Surrealismo